Relator defende afastamento de parlamentar sem aval do Congresso

O ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Edson Fachin, relator da ação que pede que medidas cautelares judiciais contra parlamentares, incluindo o afastamento, sejam submetidas à análise do Legislativo, votou contrário ao pedido, nesta quarta-feira (11).

Na visão de Fachin, há uma “significante diferença” entre a decretação da perda e a suspensão temporária do mandato decretada pela Justiça “para evitar a prática de infrações penais”.

Em seu voto, o relator ainda destacou que a Constituição “nem de longe confere ao Poder Legislativo o poder de revisar decisões do Poder Judiciário”.

A ação em julgamento no STF nesta quarta atinge diretamente o afastamento do senador Aécio Neves (PSDB-MG), pela Primeira Turma da Corte, no último dia 26.

Havia uma dúvida jurídica se o Senado deveria levar ao plenário — e até suspender — a decisão do colegiado sobre as medidas impostas ao tucano.

Fachin votou para que seja julgada improcedente a ação, proposta pelo PP, PSC e Solidariedade.

O ministro lembrou ainda de que o Supremo já foi unânime ao votar pelo afastamento do mandato parlamentar no caso do então deputado federal Eduardo Cunha (PMDB-RJ), no ano passado.

A sessão foi suspensa às 11h30 para o almoço e deverá ser retomada por volta das 13h30, com os votos dos outros ministros.

Advocacia-Geral da União

A advogada-geral da União, representando o presidente Michel Temer, fez uma sustentação oral em que defendeu a “independência do Legislativo em face aos demais Poderes da República”.

Segundo ela não se pode impor ao parlamentar medidas cautelares que restrinjam o mandato.

“Tamanha a força da imunidade parlamentar para o Poder Legislativo e os seus desdobramentos para o congressista que sequer se permite que se tenha qualquer renúncia por parte do congressista à imunidade parlamentar”, afirmou.

You may also like...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *