Unifacisa realiza transplante de células-tronco e devolve visão à agricultora

Foto: Ascom

Foto: Ascom

O médico oftalmologista responsável pela cirurgia da agricultora, Diego Gadelha, da Unifacisa, destacou que Laís teve um acidente grave. A jovem teve o tipo de queimadura química mais grave que pode acontecer no olho, inclusive, mais grave que uma queimadura por ácido, causando uma deterioração de toda a parte externa do olho e podendo comprometer a parte interna, levando a cegueira ou perda do globo ocular. “Ela teve sorte de ter sido atendida rapidamente e encaminhada para o Hospital de Trauma. Lá foram feitos os primeiros procedimentos e evitado que o dano fosse maior. Aqui na Clínica Escola diminuímos a inflamação por alguns meses e quando a fase aguda da doença passou, optamos por realizar um transplante de células tronco da córnea conjuntiva do outro olho. Por sorte a queimadura com cal só aconteceu no olho direito, o olho esquerdo ficou intacto e teve como fazer o transplante”, afirmou.
Foto: Ascom

Foto: Ascom

Segundo o médico, a Clínica Escola da Unifacisa tem uma parceria com o Hospital de Trauma que vem trazendo muitos benefícios à população. “É uma parceria público/privada que já temos há cinco anos e tem mudado a qualidade de vida das pessoas que sofrem trauma ocular em toda Paraíba. São realizadas, em média, de 15 a 20 cirurgias de trauma ocular na Clínica Escola da Unifacisa que se tornou referência neste tipo de atendimento no Estado”, comentou.]]>