“É o que eu sempre digo, o que Veneziano construiu, eles estão destruindo”, desabafou a Vereadora Fátima da Vila Cabral

Nossa reportagem conversou com a Vereadora Dona Fátima da Vila Cabral, do Podemos. Na ocasião Edil Francis questiona a Vereadora sobre atual situação do Terminal de Integração, que sofre mudanças, até então drásticas para a população de Campina Grande.

De acordo com Dona Fátima, as mudanças do terminal tem atingido sobremaneira a população carente, aquela que mais necessita daqueles serviços, “e os Vereadores da situação não têm compromisso com o mais pobre e por toda a cidade o comentário é um só, que são essas mudanças do Terminal”, acrescentou.

“É o que eu sempre digo, o que Veneziano construiu, eles estão destruindo, mas a resposta virá, o que não me impede de ficar triste, pois, por exemplo, a pessoa sai da Vila Cabral da Integração para ir para o HU (Hospital Universitário Alcides Carneiro), você tem que pagar o transporte, porque não tem um ônibus que faça um circular dentro de uma hora em Campina Grande que dê tempo de você pegar outro transporte,isso foi só para acabar com o Terminal”.

Sobre os atrasos nos pagamentos dos salários dos servidores da Prefeitura de Campina Grande e a respeito de uma nota divulgada pela Associação de Médicos, informando que os anestesistas iriam paralisar suas atividades por falta de pagamento, a Vereadora respondeu que ” desde setembro do ano passado, que isso vem se arrastando, cirurgias que foram marcadas para outubro, acabaram sendo feitas em fevereiro, tudo isso em virtude da falta de pagamento, que não é mentira, é verdade, nós temos bons profissionais que estão se recusando a trabalhar por não estarem recebendo, quem trabalha precisa do seu salário em dia, isso é um direito de todo profissional”.

No final da entrevista, Dona Fátima mencionou a falta de medicamentos nas unidades básicas, “você chega numa unidade e encontra o vazio completo, sem nada, até para pegar um medicamento como Dipirona lá, você tem que estar com a receita, o que não acontecia na gestão passada, que não faltava nenhum remédio”, concluiu.

“Além dos medicamentos, estão faltando exames, um hemograma que custa trinta reais está faltando”.

Dona Fátima da Vila Cabral assumiu, por 121 dias, uma cadeira no legislativo municipal pelo Podemos em lugar do Vereador Galego do Leite.

Magali Souto Maior

Please follow and like us:

You may also like...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *