Vereador líder da oposição diz que Campina Grande é uma vergonha na Saúde

Ao participar do programa Paraíba Atualidade do último sábado,04,o vereador líder da bancada de oposição de Campina Grande, Anderson Almeida (Podemos), criticou a ausência de resposta da prefeitura para a problemática da Feira Central, que aguarda por uma reforma há muitos anos.

Segundo ele, desde o início do governo do ex-prefeito Romero Rodrigues que foi anunciada reforma, inclusive com recursos garantidos, mas nem sua gestão nem a do atual prefeito Bruno Cunha Lima, nada fizeram.

“A feira está jogada às ruas. Falta limpeza, faltam as condições necessárias para que os cidadãos e cidadãs possam negociar e ganhar o seu sustento honestamente”, disse.

Mas foi na gestão da Saúde que Anderson focou suas maiores preocupações. Para o vereador, o setor está um “caos”.

Ele afirma que Campina Grande perdeu toda a referência médica em saúde pública, e cita o caso do Hospital João XXIII como exemplo.

Segundo “Pila”, como o vereador é conhecido, o João XXIII não atende às pessoas que precisam de assistência em cardiologia, especialidade para a qual é referenciado.

“Qual o cidadão que consegue ser atendido no João XXIII?”, perguntou o edil.

Anderson acrescentou que a unidade hospitalar já recebeu R$ 10 milhões só neste ano de 2021, e questionou o destino dos recursos, já que o serviço não é prestado.

“Para onde vai esse dinheiro? Quem é que tá liberando esse dinheiro?”, observou.

Em seguida, Anderson disparou uma indagação com sentido de denúncia:

  • Será que tem algum secretário da prefeitura que é um dos diretores desse hospital, pra sair tanto dinheiro e não ter atendimento?”.

Anderson também criticou a gestão da Saúde com relação ao Hospital Universitário Alcides Carneiro (HU) e ao Instituto de Saúde Elpídio de Almeida (ISEA). Segundo ele, o HU não faz a regulação iniciada pelas UPA’s, conforme estabelecido. Quanto ao ISEA, crianças de partos prematuros têm ido a óbito por falta da assistência adequada para os casos.

“Pila” também comentou a respeito da rede de Unidades Básicas de Saúde (UBS’s), onde, de acordo com ele, há falta de médicos porque a prefeitura não cumpre adequadamente os compromissos financeiros para com esses profissionais , acarretando paralisações e vacância de postos trabalho . Ele relatou que recentemente mais de 40 médicos pediram exoneração.

“Os cidadãos estão saindo para serem atendidos em João Pessoa, porque Campina Grande não cumpre o seu papel. Campina Grande é uma vergonha na Saúde”, disparou.

Anderson Almeida informou que está prevista uma Audiência Pública na Câmara de Vereadores de Campina Grande, para tratar do assunto. Segundo ele a pauta é conjunta, ou seja, foi pedida também pela bancada de sustentação do prefeito.

“O problema da Saúde chegou ao ponto em que a própria bancada de situação não consegue mais defender”, finalizou.