Veneziano revela que seu foco é disputar a reeleição para a Câmara Federal

Veneziano disse que acreditou que o momento certo para tal  tivesse sido em 2010, mas não quis embate com o presidente do partido e candidato ao governo, José Maranhão (PMDB), e fazer uma disputa interna. – José Maranhão estava no governo e tinha direito à reeleição. Não quis realizar uma disputa interna com o governador na época porque ao final iria termos um partido dividido e, por conta disso, poderia sair derrotado nas urnas – lembrou. Segundo ele, 2014 também foi um ano apropriado para a disputa por causa do embate que aconteceu entre Ricardo Coutinho e Cássio Cunha Lima, antes aliados. – Quando o PMDB desistiu, saímos entre 14% e 15% nas pesquisas e estávamos tratando com Ricardo e Cássio. Alguns dos membros do PMDB não foram corretos com a legenda, mas disputei a Câmara e me elegi com mais de 180 mil votos – disse. Com relação às eleições de 2016, referente a Campina Grande, Veneziano lamentou ter sido indicado pelo grupo do governador Ricardo Coutinho para ser candidato a prefeito e logo após, substituído por Adriano Galdino. Ele revelou que, ao saber da decisão, não desistiu, pois pretendia dar continuidade ao projeto, mas se soubesse desde o início daquele ano não deixaria a Câmara Federal para empreitar na disputa. – Eu só fui candidato porque em junho de 2015, me foi dito que eu seria o candidato de todos. Quando eu lancei, não desistiria mesmo sendo mais difícil. Se fosse em janeiro de 2016 eu não teria como me expor como foi. Não guardo rancor e nem tenho frustração, mas acho que foi um erro que abateu-se sobre os que concorreram na oposição, sobre as legendas e sobre a figura do governo do Estado em Campina Grande – disse. O peemedebista ressaltou estar focado na reeleição e só concorreria ao governo do Estado, apoiado por Ricardo Coutinho, se tivesse muita certeza de que seria possível. Com relação a sua permanência no PMDB, Veneziano ressaltou que deve continuar no partido e só deve sair se este não o quiser mais na legenda. Entre os partidos que o convidaram está o PSB, DEM, Podemos, entre outros.]]>