Paraibana morre após ser baleada ao proteger o filho no Complexo do São Carlos

O confronto no Complexo do São Carlos deixou uma mulher morta por bala perdida e três pessoas feridas — entre elas um morador, um policial militar do Batalhão de Choque e um suspeito. A paraibana natural do município de Serra Redonda Ana Cristina da Silva, de 25 anos, morreu após ser atingida por dois tiros. Ela chegou a ser encaminhada para o Hospital municipal Souza Aguiar, no Centro, mas não resistiu aos ferimentos.

Segundo a cunhada de Ana Cristina, ela seguia para o trabalho com o filho de 3 anos quando ficou no meio do fogo cruzado. Para proteger a criança, a atendente teria se jogado sobre o filho.

— Para salvar a vida dele, ela o cobriu e foi baleada duas vezes — disse Vânia Brito, cunhada da vítima, ao “Bom dia Rio”, da TV Globo. — A gente pensa que nunca vai acontecer com a gente, mas de uma hora pra outra você morre pra salvar a vida de um filho. Então, eu acho que não tem mensagem pra deixar, só tem indignação, só tem um pedido, né: Justiça pra ser feita. Foi apenas bandido contra bandido, parece que o Rio todo está tomado de bandidos. Isso que dá pra perceber.

A Delegacia de Homicídios da Capital (DHC) registra o caso na manhã desta quinta-feira. Segundo a PM, o militar da corporação foi baleado de raspão e já recebeu alta médica. Ainda não há informações sobre a identidade e o estado de saúde do morador atingido por uma bala perdida. Com o suspeito ferido, os agentes encontraram uma pistola.

 

Redação com Extra Digital

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *