MPF constata lançamento de esgoto nas águas da transposição do rio São Francisco na Paraíba e cobra pagamento de conta de energia

O Ministério Público Federal (MPF) na Paraíba constatou lançamento de esgoto nas águas da transposição do rio São Francisco, em Monteiro, no Cariri paraibano. Uma equipe do MPF realizou inspeção nesta segunda-feira (9) no canal da transposição, do Projeto de Integração do Rio São Francisco (Pisf).

O órgão reiterou cobrança à Companhia de Água e Esgotos da Paraíba (Cagepa), bem como pedirá providências ao secretário estadual da Infraestrutura, dos Recursos Hídricos e do Meio Ambiente e à Prefeitura Municipal de Monteiro. Desde 2017, o MPF em Monteiro acompanha a execução das obras da transposição, especialmente no Eixo Leste, meta 3L, na região do Cariri da Paraíba.

A procuradora da República, Janaina Andrade, disse que desde quando a transposição obteve a licença prévia para operar, o problema do esgotamento sanitário em Monteiro, tido como uma das obras complementares ao Pisf, não foi solucionado. “O esgotamento é pré-requisito (condicionante) para a transposição. Passados cinco anos da inauguração, no município de Monteiro, porta de entrada das águas do Pisf na Paraíba, não há conclusão do esgotamento sanitário. Isso pode interferir na operação comercial do Projeto de Integração do São Francisco”, avisou a procuradora, conforme apurou o ClickPB.

Ela acrescenta que “na avaliação do MPF, há descaso com a obra, que teve um elevado dano ambiental, no aspecto social e natural, além do grande vulto de recursos públicos.”

A procuradora aponta ainda que “é inaceitável que tenha se chegado ao ponto de se ter um corte da energia, por falta de pagamento, em estação elevatória, causando o transbordamento de dejetos para o canal, em Monteiro”. Nesse aspecto, ela destaca que “o MPF e o MPPB já fizeram termo de ajustamento de conduta (TAC) com o município de Monteiro e Cagepa para tentar equacionar a divergência sobre quem seria o responsável pelo pagamento da conta de energia, que girava em torno de R$ 200.”

Além de ofícios à Cagepa e à Prefeitura Municipal de Monteiro, cobrança à empresa responsável pela recuperação das estações elevatórias do município de Monteiro, o MPF remeterá relatório de inspeção ao Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), ao Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR) e à Agência Nacional de Águas e Saneamento Básico (ANA), bem como ao secretário estadual de Meio Ambiente e ao governador do Estado, para conhecimento e adoção de providências.