Médicos da FAP paralisam atividades por atraso em repasses da prefeitura

Os médicos anestesistas da Fundação Assistencial da Paraíba (FAP) anunciaram nesta quinta-feira (2) a suspensão das atividades em protesto ao atraso no repasse de verbas públicas da Secretaria de Saúde de Campina Grande.

De acordo com o diretor da FAP, Derlópidas Neves, a unidade hospitalar espera que seja efetuado o pagamento de mais de R$ 2 milhões pela prestação de serviços à Prefeitura campinense.

– Ontem recebemos por parte do secretário o valor de R$ 700 mil referente a hemodiálise do mês de julho. Estes valores vêm muitas vezes fatiados. Gostaria, inclusive, de ressaltar quer é uma prestação de serviço que fazemos à Secretaria Municipal de Saúde. Vamos esperar agora no início deste mês que estes valores sejam repassados – disse.

A FAP é responsável pela assistência de média e alta complexidade na cidade. Além disso, o hospital atende pacientes com câncer de 148 municípios paraibanos.

A assistência de média e alta complexidade são procedimentos, que no contexto do Sistema Único de Saúde (SUS), tem alto custo, como, por exemplo, assistência ao paciente com câncer e assistência ao paciente portador de doença renal crônica, que necessita de diálise e hemodiálise.

A unidade realiza no município hemodiálises, cirurgias oncológicas, quimioterapias, radioterapias e partos.

– A FAP hoje faz em torno de 92% dos atendimentos SUS com tabelas defasadas de 11 anos. Conversamos com o secretário Filipe que houvesse uma periodicidade de transferência de recursos à FAP. Se fez o serviço, que seja pago, de acordo com o recebimento feito pelo Ministério da Saúde – falou Derlópidas, em entrevista à Rádio Correio FM.

A DEFESA

O secretário de Saúde de Campina Grande, Filipe Reul, comentou sobre os médicos anestesistas da Fundação Assistencial da Paraíba (FAP) suspenderem as atividades em protesto ao atraso no repasse de verbas públicas da Prefeitura de Campina Grande.

Segundo o diretor da FAP, Derlópidas Neves, a unidade hospitalar espera que seja efetuado o pagamento de mais de R$ 2 milhões pela prestação de serviços à Prefeitura campinense.

– Recebemos com surpresa e com preocupação a paralisação das cirurgias oncológicas da Fundação Assistencial da Paraíba. Existe uma alegação de que a cooperativa dos anestesiologistas parou a prestação de serviços em virtude de um débito que existe referente aos meses de abril, maio e junho de 2021. No entanto, a Secretaria de Saúde de Campina Grande repassou os valores referentes a estes meses pelos serviços executados pela FAP – disse Filipe.

O secretário destacou que deve conversar com a categoria e com a direção da FAP para que os usuários do Sistema Único de Saúde (SUS) não fiquem sem assistência médica.