Idosa morre após infecção por superbactéria KPC em Campina Grande

Uma idosa de 92 anos morreu em Campina Grande, nesta sexta-feira (21), após uma infecção pela superbactéria KPC (Klebsiella pneumoniae Carbapenemase) – rara e resistente a antibióticos. A paciente tinha sido atendida na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) da cidade e foi transferida para o Hospital Municipal Pedro I. Uma outra pessoa com a suspeita de infecção por KPC também foi transferida para a unidade e segue internada.

O exame da mulher apontou que ela morreu por insuficiência respiratória e foi confirmada a presença da bactéria KPC, segundo a Secretaria Municipal de Saúde (SMS). Ela havia dado entrada na UPA com um quadro de pneumonia.

A assessoria da SMS informou que está apurando os casos e confirma que dois pacientes com infecção pela superbactéria KPC foram transferidos da UPA para o Pedro I em Campina Grande. As duas unidades passam por procedimentos de desinfecção.

A direção do Hospital Pedro I afirma que recebeu os pacientes da UPA. A direção da UPA retirou todos os equipamentos e fechou a ala vermelha, onde estavam os dois pacientes, para desinfecção e manutenção. A direção manteve dois leitos de unidade semi-intensiva em outra ala do hospital.

Paciente morre após infecção com superbactéria KPC em Campina Grande

Paciente morre após infecção com superbactéria KPC em Campina Grande

Superbactéria KPC

O contágio da bactéria KPC acontece por contato. A bactéria se multiplica em ambiente hospitalar. A KPC pode causar infecções sanguíneas, urinárias e generalizada, além de pneumonia. Os sintomas são febre, dor no corpo e dor na bexiga.

]]>