Governo Temer quer privatizar a Eletrobras

Com a disparada das ações da Eletrobras nesta terça-feira (22) após o governo anunciar plano de privatização da estatal do setor elétrico, a companhia viu o seu valor de mercado aumentar quase R$ 9 bilhões em poucas horas, segundo dados da provedora de informações financeiras Economatica.

O levantamento da Economatica leva em consideração a cotação perto das 14h, quando o papel Eletrobras ON N1 era negociado a R$ 21,05 (alta de 48,52%) e Eletrobras PNB N1 a R$ 23,48 (alta de 31,91%). A forte valorização colocava a companhia com um valor de mercado de R$ 29,12 bilhões, ante R$ 20,17 bilhões no fechamento do pregão da véspera. Acompanhe a cotação

Por volta das 14h15, as ações da Eletrobras subiam acima de 45% na B3 (antiga BM&FBovespa, a bolsa brasileira).

Na parcial do dia, a Eletrobras se posicionava na 21ª posição entre as empresas com maior valor de mercado na bolsa brasileira, ante 30º lugar no fechamento da segunda-feira.

Em 2010, a Eletrobras chegou a R$ 46 bilhões em valor de mercado, segundo a Economatica, mas viu suas ações sofrerem fortes baixas nos últimos anos.

Evolução do valor de mercado da Eletrobras
Estatal encolheu nos últimos anos a ações dispararam após anúncio de privatização
44,144,131,531,526,326,311,111,18,28,27,27,29929,229,220,1720,1729,1229,12jan/10jan/11jan/12jan/13jan/14jan/15jan/16jan/1721/0822/0801020304050
Fonte: Economatica

Com a forte alta da Eletrobras, o Ibovespa bateu o patamar de 70 ml pontos. A última vez que o índice fechou acima dos 70 mil pontos foi em 19 de janeiro de 2011, quando fechou em 70.058 pontos. O recorde histórico foi em 20 de maio de 2008, com 73.516 pontos.

O avanço da Eletrobras acontece após o governo anunciar plano de vender o controle da gigante do setor elétrico, em movimento que pode gerar uma arrecadação de até R$ 20 bilhões para a União.

Itaipu e Eletronuclear devem ficar de fora

O ministro de Minas e Energia, Fernando Bezerra Coelho Filho, informou nesta terça-feira que a hidrelétrica de Itaipu, administrada pelo Brasil junto com o Paraguai, e a Eletronuclear, subsidiária à qual estão vinculados os projetos na área de energia nuclear, deverão ficar de fora da privatização da Eletrobras. O ministro disse também que, com a privatização, as tarifas de energia podem cair no médio prazo para o consumidor.

De acordo com o ministro, a proposta de privatização vai ser entregue nesta quarta-feira (23) para o Programa de Parcerias de Investimento (PPI), órgão do governo Michel Temer que trata de privatizações e concessões. O envio da proposta é um passo inicial do processo.

Presidente da Eletrobras, Wilson Ferreira Junior, diz que privatização trará eficiência

Presidente da Eletrobras, Wilson Ferreira Junior, diz que privatização trará eficiência

Proposta de privatização

Pela proposta anunciada pelo governo, será feito um aumento de capital na Eletrobras, do qual o governo não irá participar. Consequentemente, cairá a fatia governamental na empresa. A previsão é que chegue a 47%.

Além da crise econômica e das suspeitas de irregularidades em projetos, como a usina nuclear de Angra 3, investigadas pela Lava Jato, o encolhimento da Eletrobras em valor de mercado também é atribuída à participação em políticas adotadas pelo governo Dilma Rousseff no setor elétrico, entre eles a medida que permitiu o barateamento das contas de luz em 2013.

  • Hoje a União tem 51% das ações ordinárias (com direito a voto) e fatia de 40,99% no capital total da Eletrobras;
  • Além disso, o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e seu braço de investimentos, o BNDESPar, têm, juntos, 18,72% do capital total da empresa;
Raio x Eletrobras (Foto: Arte/G1)Raio x Eletrobras (Foto: Arte/G1)

Raio x Eletrobras (Foto: Arte/G1)

Problemas

O Ministério de Minas e Energia afirma que a decisão de propor a redução da participação da União na Eletrobras ocorre “após profundo diagnóstico sobre o processo em curso de recuperação da empresa.”

A companhia terminou o 2º trimestre com uma dívida líquida de R$ 38,4 bilhões. Segundo a Economatica, a dívida da Eletrobras é a 4ª maior entre as empresas de capital aberto, perdendo só para Petrobras (R$ 295,3 bi), Vale (R$ 73,2 bi) e Oi (R$ 44,5 bi).

“Os problemas decorrem de ineficiências acumuladas nos últimos 15 anos, que impactaram a sociedade em cerca de um quarto de trilhão de reais, concorrendo pelo uso de recursos públicos que poderiam ser investidos em segurança, educação e saúde.”

Governo anuncia a privatização de parte da Eletrobras

Governo anuncia a privatização de parte da Eletrobras

Papel da Eletrobras

A Eletrobras se transformou em um dos maiores agentes do setor elétrico brasileiro durante o governo dos ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff. Participou dos consórcios responsáveis por hidrelétricas como Belo Monte, o maior projeto do país na área de geração de energia elétrica, além da construção de linhas de transmissão.

Entretanto, a Eletrobras registrou perdas nos últimos anos, devido à crise econômica e também às suspeitas de irregularidades em projetos em que estava envolvida – a empresa é alvo da Lava Jato, por exemplo, por indícios de desvios nas obras da usina nuclear de Angra 3.

A participação da Eletrobras em alguns dos projetos do governo Dilma Rousseff, como o que permitiu a redução do preço da energia em 2013, também é apontada como responsável por parte das perdas da estatal.

Uma das medidas adotadas pelo governo Dilma para conseguir baratear a energia foi oferecer às operadoras de hidrelétricas, como a Eletrobras, a renovação dos contratos de concessão dessas usinas. Em troca, porém, elas passaram a receber um valor bem menor pelo serviço.

Apesar de ter ajudado a baratear as contas de luz temporariamente, a adesão da Eletrobras nesse plano reduziu as receitas da empresa com a geração de energia e desvalorizou fortemente suas ações – dois meses depois do anúncio do plano, os papéis da empresa tiveram queda de 20% em apenas um dia.

Já no governo Temer e sob novo comando, a Eletrobras, em forte crise financeira, anunciou um programa de demissão voluntária (PDV). A expectativa é de cortar 50% dos funcionários.

Em junho, durante discussão do plano de reestruturação, o presidente da estatal, Wilson Ferreira Júnior, se referiu a 40% da chefia da empresa como “vagabundos” e “safados”. A repercussão da fala levou o presidente da estatal a pedir desculpas e os sindicatos a promoverem uma greve de 24 horas.

A empresa também propôs um plano para incentivar a aposentadoria de funcionários para economizar R$ 1,5 bilhão ao ano.

]]>