Delação de publicitário cita dois ex-presidentes e dois senadores

Mensalão mineiro O esquema do mensalão mineiro, na campanha fracassada de Eduardo Azeredo para ser reeleito governador em 1998, foi revelado há dez anos, em 2007. Marcos Valério é réu na ação, mas ainda não foi julgado. Ele é acusado de ser o operador do esquema, usando suas agências de publicidade para lavar o dinheiro desviado. No acordo que fechou com a PF, o publicitário detalha valores que recebeu de empresas e qual o destino do dinheiro. A campanha de Azeredo, diz Valério, recebeu aproximadamente R$ 10 milhões de pelo menos nove estatais (Cemig, Copasa, Furnas, Comig, Eletrobras, Petrobras, Correios, Banco do Brasil e Banco do Estado de Minas Gerais). As estatais e os desvios – que chegam aos R$ 33 milhões em valores atuais – constam em uma planilha assinada por Valério com data de 1999. O ex-governador Azeredo foi condenado a 20 anos e dez meses de prisão, mas recorre da sentença em liberdade.]]>